Artigos

E ela fazia o que podia…

E ela fazia o que podia…

Tentava, tentava, tentava, e fazia o que podia.

Plantava, colhia, plantava, colhia… Mas nunca colhia o que dizia realmente querer.

Talvez não usasse as sementes certas…

Talvez não cuidasse o suficiente do seu plantio.

Como queria ter um belo e florido jardim se não lhe dedicava tempo suficiente?

Muitas vezes preferia se transformar numa borboleta e perambular pelos ares…

Mas ela fazia o que podia, pois também precisava dar os seus voos periodicamente…

Ela era leve, livre, colorida.

Ela era esperta, doce e amorosa… E queria brincar… Precisava brincar e levar brincadeiras para o mundo.

E era isto que ela fazia quando em sua forma de borboleta… Ela distribuía prazer, sonhos e brincadeiras para todos que encontrava.

Nem sempre ela percebia o que fazia, ou melhor, o significado do que fazia, mas a verdade é que ela fazia.

Sim, ela encantava a todos com a sua magia… Mas não percebia que com isto já fazia o que queria.

Portanto, voltava para plantar as sementes e cultivar seu jardim.

Mas o jardim já estava pronto, só que ele não ficava ali, não naquele pedaço pequeno de terra.

Seu jardim era o mundo. E ela, sem perceber, também plantava suas sementes nele, e o regava com regularidade.

Um belo dia as coisas mudaram drasticamente…

Seu pequeno jardim foi inundado por uma terrível tempestade.

Ela achou que tinha perdido tudo e, desolada, se transformou novamente em borboleta para tentar amenizar o seu pesar.

E qual foi a sua grande surpresa?

Ao sair de novo batendo suas asas pelo mundo, o seu prazer e a sua alegria por voar livremente contagiavam, mais uma vez, o coração de todos, que abriam um sorriso sempre que ela passava.

Aquele era o seu maior dom, embora ela nunca o percebesse.

E naquela ocasião ela foi acolhida por todos, ela foi acolhida pelo mundo, pelo seu verdadeiro jardim… O maior de todos, o mais belo, aquele em que ela plantou e cultivou com prazer, alegria e leveza… Aquele que retratava realmente a sua essência.

Anna Leão (ao reproduzir, favor mencionar autoria e fonte).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »