Artigos

Individualidade x individualismo

Acho que muita gente confunde, e não só a nível linguístico, individualidade com individualismo. As pessoas confundem a essência tão diferente destes dois conceitos.
Estou sempre falando aqui sobre sermos nós mesmos, nos valorizarmos como somos, buscarmos o autoconhecimento sempre, reconhecer nosso próprio poder pessoal e saber usá-lo com sabedoria. Tudo isto é sinônimo de afirmar nossa INDIVIDUALIDADE.
É construirmos nossa própria identidade, é fugirmos de modismos, da massificação. É conectarmos com nossa essência única, é nos expressarmos como nós somos realmente. Isto tudo, esta afirmação da nossa identidade, da nossa INDIVIDUALIDADE, passa cada vez mais pelo autoconhecimento e gera o fruto da autoestima.
A autoestima está presente na INDIVIDUALIDADE bem desenvolvida, mas está completamente ausente no INDIVIDUALISMO. Este acontece baseado no falso orgulho, no egocentrismo e no egoísmo.
O INDIVIDUALISMO é fruto de uma sociedade neurótica e doente. Isto porque as pessoas que a compõem não tem sua INDIVIDUALIDADE bem desenvolvida, e na maioria dos casos não têm nem consciência disto. Acham erroneamente que estarem plenas de seus direitos como indivíduos é fazerem acontecer suas vontades custe o que custar e a quem for.
Os individualistas são pessoas que não têm noção de conjunto, são imediatistas o tempo todo. Estão sempre prontos para a briga, sempre com um pé atrás. São incapazes de atos generosos ou desapegados. Se o fazem é porque isto vai repercutir em sua vaidade. Aliás, a vaidade é extremada no individualista. E vai além da aparência física, é claro.

Lembro de uma vez que o colégio de minhas filhas estava organizando uma campanha para um orfanato. Fez uma gincana com equipes e ganharia o prêmio simbólico quem levasse mais donativos alimentícios. Fiquei sabendo que tinha um pai que todo dia mandava um monte de latas de leite, açúcar, feijão, etc.

Um dia eu o vi, na hora da saída das crianças, deixando os alimentos e dizendo que iria ganhar. Captei no tom de voz dele, na forma com falava, no olhar, a agressividade da competição e não, a generosidade da doação. Percebi nitidamente que o que interessava a este sujeito era que sua filha fosse a responsável pela vitória de sua equipe. A vaidade imperava em cima da verdadeira generosidade. E me perguntei: “Será que este homem costuma enviar alimentos aos orfanatos durante o ano?” Provavelmente a resposta seria negativa.

Pensar no todo, no Universo, na teia energética que ligam os seres, isto não existe para o individualista, que na verdade está doente, perdido, que não consegue se aprofundar em si próprio, e na maioria das vezes não quer. Ele só quer melhorar o externo em sua vida. Sem perceber a necessidade de se melhorar por dentro, de se autoconhecer, de crescer, de evoluir. Isto tudo para ele é bobagem.
Já aquele que tem a posse de sua própria INDIVIDUALIDADE, não tem o medo de se perder no outro. Ele sabe que todos fazem parte do UM. Ele não precisa provar nada a ninguém, pois está em paz consigo mesmo e com sua autoestima.
A partir da sua própria diferença intrínseca ele está pronto para pensar no outro, para saber até onde pode ir, para respeitar o espaço e o tempo do outro, assim como também se fazer respeitar, e saber quando colocar limites.
Não existe maneira de evoluir, de crescer, de melhorar realmente sua vida se não houver o autoconhecimento. Só assim podemos sair do INDIVIDUALISMO e ingressar em nossa própria INDIVIDUALIDADE. O resto é ilusão.
Muitas vezes o processo de autoconhecimento pode ser penoso. Mesmo assim vale muito à pena. Não esqueçamos que os maiores tesouros geralmente estão escondidos em lugares de difícil acesso, onde o buscador precisa passar por caminhos difíceis antes de encontrá-lo. E aí iremos perceber o quanto foi importante o processo da busca, talvez mais do que a própria chegada.
Anna Leão. (Favor mencionar autoria e fonte ao reproduzir este artigo).

 

(7) Comments

  1. Adorei o que você escreveu. A partir desta postagem eu consegui entender o conteudo da prova que irei fazer. Muito obrigada!

  2. No meu caso sempre foi o sofrimento que me fez eu me aprofundar em mim mesmo. Sem sofrimento, eu seria apenas um individualista e veria tudo como cor de rosa. Individualidade vem quando o individualismo não funciona mais. Finalmente me livrei do individualismo, o mesmo não tem mais utilidade. Solidão sim, individualismo não. O individualista pensa sempre que existe um padrão de como as pessoas devem viver, sempre voltado ao progresso, evolução, competição, ser um vencedor, mas na verdade não existe um padrão, na individualidade a pessoa coloca sua propria essencia em tudo que ela faz, em como direciona sua propria vida.

  3. Obrigada por seu depoimento, Gregório!
    Que bom que o sofrimento lhe levou a um lugar melhor, pois com muitas pessoas isto não acontece. Alguns se revoltam e se tronam ainda piores do que são.
    Você teve a sabedoria de aprender com a dor e os reveses. Parabéns!!!

  4. É, mas eu já mudei de idéia. Durante uns meses eu fiquei apegado a formas de filosofia e religião como uma muleta emocional, mas agora me aprofundei mais em mim mesmo e mudei de idéia. O individualismo é o único caminho para alguém que é excluído do mundo, como é meu caso. Pode ser o mais dificil dos caminhos, mas é o unico caminho verdadeiro. Se eu me socializasse sofreria bullying. Então é mais verdadeiro ser sozinho do que me socializar. Não ligo se sou taxado de egoísta, prefiro viver a verdade do que a mentira conformista que é a vida social.

  5. Gregório, nossa vida é reflexo de quem somos. Por isto é sábio tratarmos o mundo como queremos ser tratados por ele. Talvez no dia em que você se focar mais no prazer de dar do que no de receber, inclusive atenção, as coisas fluam melhor para você. Às vezes exigimos muito dos outros e da vida, e esquecemos de nos perguntar com o quê e como estamos contribuindo para fazer deste um mundo melhor.

  6. Eu tenho 15 anos, eu passei por alguns problemas durante minha vida. Não posso dizer que sou uma pessoa "experiente", também não sei oque isso significa, não sei qual é a verdadeira realização de algo. Só que as vezes é algo tão constrangedor, você sofre com seu próprio externo que acaba influenciando o seu interior para não se sentir sozinho, porque na realidade eu não sei se realmente as pessoas podem viver sozinhas. Claro, nós sempre estamos tentando nós acertar no mundo, mas do que isso adiantaria se não fosse pelas pessoas aceitando você? Nós já sabemos que não vivemos sozinho, o fato é que existe uma notável diferença nós fatores entre ser aceito pelo oque você é e ser aceito pelo oque querem que você seja.
    Eu as vezes tenho medo, porque eu já me sinto em um mundo longe demais das pessoas que eu vivi achando que estavam próximas, minha própria família que dizia que poderiam cuidar de mim foram os que mais me machucaram, pois eles calaram minha voz. Eu sinto medo de me expressar, tenho medo das pessoas, as vezes eu só quero que alguém me comprenda da forma que estou tentando seguir, e com o meu namorado eu tenho medo de perder ele porque até hoje ele foi a única pessoa que realmente acessou o meu mundo e que entende a minha forma de ser, o problema não é alto aceitação, é a solidão total do ser. Você sabe que existem pessoas como você, mas é tão natural nos importamos demais com oque sabemos e afastar do que não compreendemos. Somos humanos, somos constituídos de reproduzir, recriar, nós nunca poderíamos criar alguma coisa. Só aprendemos com a variação, e criamos de uma própria versão dos fatores, que singularmente não pode ser dita a "verdade absoluta". Eu só to dizendo isso, porque eu tenho medo de ficar sozinho e preferir acabar com isso. Por isso eu sempre procurei ajudar quem tá do meu lado, pois todos somos renegados no mundo, e isso pelo menos acredito que é o motivo das pessoas as vezes preferirem acabar com a sua vida.

    Estamos todos sozinhos por dentro.

  7. Oi Royce!
    Antes de mais nada, obrigada pelo seu depoimento aqui.
    A grande verdade do mundo é que todo ser humano quer ser amado e aceito. O problema é que vivemos numa sociedade enferma, onde as pessoas se defendem ou agridem o outro para se esconderem de seus próprios fantasmas e traumas.
    Ser amado e aceito é muito bom, mas o amor precisa começar por nós mesmos. Precisamos nos amar e nos aceitar em primeiro lugar. De nada adianta sermos amados pelo mundo, se não somos nós mesmos, se anulamos nossa identidade para agradarmos ou sermos aceitos. Uma hora, vamos perceber o rombo dentro de nós. É melhor estar sozinho pleno de si, do que cercado de pessoas que não nos conhecem de verdade. Porém, o ideal é sermos autênticos e encontrarmos pessoas que se sintonizam conosco. Semelhante atrai semelhante. Esta é uma lei da física que se aplica muito bem a tudo .
    Quando estamos plenos de nós mesmos, em paz com quem somos de fato, aceitando e assumindo nossa verdadeira natureza e essência, e não mais a empurrando para a sombra, nós desabrochamos, nos fortalecemos e podemos nos doar genuinamente para os outros. É bacana ajudar as pessoas, não perca isso, mas se ajude também, e antes de mais nada, se aprecie. Geralmente os "incompreendidos" são pessoas muito ricas interiormente, que precisam encontrar um canal para se expressarem no mundo, distribuindo suas riquezas, por mais diferentes que elas possam parecer ou ser. Procure o seu canal de expressão, e tenho certeza que se sentirá mais centrado e pleno ao encontrá-lo.
    Um abraço,
    Anna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »