BLOG METAMORFOSE desenvolvimento pessoal

A Lei da Interconexão – estamos todos conectados

Lei da Interconexão: Somos feitos da mesma substância que gera o que chamamos de vida, estamos todos conectados.

A Lei da Interconexão é mais uma das leis que regem o Universo. Entendendo que tudo é energia que vibra em frequências diversas, ao ponto de formar a matéria, chegamos à conclusão de que toda a criação é feita da mesma substância.

Ora, se somos feitos da mesma substância, estamos  todos interconectados. A ciência, mais precisamente a física quântica, vem realizando experimentos que cada vez mais comprovam  esta verdade. E o mais bacana da física quântica é que ela volta a unir ciência e espiritualidade.

Veja bem, falo em espiritualidade, algo bem amplo, profundo e individual (pois cada um a sente de um modo ímpar). Não falo em religião. Esta pode ou não conter a espiritualidade,  dependendo de como é vivida.

Para muitos, estas revelações quântica – podemos chamar assim – são difíceis de aceitar, pois elas quebram paradigmas há muito tempo vigentes e convenientes para muitos. Saímos da cartilha do materialismo e da separatividade, e entramos em algo muito maior, mais amplo e abrangente ao mesmo tempo.

Somos todos um; querendo ou não, gostando ou não. Somos feitos da mesma substância que gera o que chamamos de vida, estamos todos conectados. Com isso podemos deduzir que nossos atos, sentimentos e pensamentos não afetam apenas a nós, ou pessoas próximas. Somos responsáveis pela vida de todos e do mundo.

Sentimentos e pensamentos geram vibrações especificas, assim como nosso comportamento. Se esse conjunto de coisas que eu produzo são coisas positivas, como amor, respeito, gentileza, alegria, bom humor, etc, eu gero uma energia positiva que vibra numa frequência maior e contagia o Todo.

Se ao contrário, de mim emanam coisas de baixa vibração como raiva, tristeza, egoísmo, ganancia, desrespeito, etc, eu contagio o Todo com esta frequência mais baixa.

Além disso, através da Lei da Atração, outra importante lei do Universo, eu atraio para mim e para a minha vida pessoas e situações em sintonia com a minha frequência energética. Lembre-se: semelhante atrai semelhante.

Pensemos assim, então: se digo que quero paz, amor, alegria e tranquilidade, eu preciso vibrar tudo isso para poder atrair. Precisamos transmitir aquilo que queremos receber. Além de atrairmos todas as coisas boas para nós, também estaremos ajudando o mundo a se tronar um mundo melhor, pois estaremos exalando coisas boas para ele.

É por tudo isto que a inveja é uma coisa burra e de gente preguiçosa. Quando vemos alguém que conquistou algo que almejamos, precisamos desenvolver em nós a compaixão positiva e vibrarmos com a conquista daquela pessoa. Pois se um se realiza, abre portais para outros também se realizarem. Não esqueçamos, estamos todos conectados!

Além disso, quanto mais pessoas realizadas em suas vidas e consigo mesmas, mais teremos um mundo melhor e próspero. Quanto mais  felizes as pessoas, mais feliz teremos o nosso mundo. Precisamos aprender a nivelar pelo alto e não por baixo. É o que está em cima que dá a mão para o que está embaixo, ajudando-o a subir; e não o que está embaixo puxar o de cima para cair.

Tenho ouvido pessoas reclamarem de certa densidade energética que sentem pairando no ar. Toda esta energia é emanada por nós. Ela é a soma, o resultado, de nossas vibrações energéticas.

Se quisermos diminuir a densidade desta energia pesada, precisamos mudar nossos sentimentos, pensamentos e ações. Precisamos olhar o mundo de outra forma, com mais amor, generosidade e responsabilidade.

Não podemos esquecer que fazemos parte do Todo, deste mundo, do Universo, e somos responsáveis por ele. Se quisermos um mundo melhor como dizemos que queremos, precisamos, em primeiro lugar, melhorar a nós mesmos, crescer como seres humanos.

O autoconhecimento, a empatia, o estudo das novas descobertas e das Leis que regem o Universo são imprescindíveis para entendermos o nosso papel e o cumprirmos da melhor forma possível nesta engrenagem perfeita que se chama vida.

Nota: texto do livro Por um  pouco mais de felicidade, de Anna de Leão.

Anna de Leão (Favor mencionar fonte e autoria ao reproduzir este artigo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »