poema. poesia

A PORTA

A confiança num caminho há muito esquecido
É a luz de minha vida agora

Pedras se deslocaram
Árvores derrubadas
Geleiras derretidas…
Mas a porta continuou aberta

Meus castelos imaginários se sedimentaram num plano maior
Minha fé inabalável se solidificou
Minhas buscas incessantes o vento levou

Pois a porta mágica
A mim se manifestou

Passam horas, minutos, segundos
Passaram-se décadas, séculos, milênios

A certeza se declarou
O caminho se iluminou
De um lado dourada, a porta se abriu
Para eu ver do outro lado a prata que me surgiu

Passei pela porta
A chave entrou
Encontrei o caminho
Iniciada eu sou.

Anna Leão. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »