poema. poesia

DO FUNDO DE MEU SER

De Metamorfose

Sensações estranhas invadem o meu ser
Sentimentos discordantes teimam em me querer
Tento fugir das rotas programadas
Tento me libertar de correntes e mordaças

Explodem dentro de mim fúrias inexplicáveis
Brotam em minha mente melancolias doentias
Me sinto num quarto vazio sem janelas e porta
Me sinto tolhida no meu mundo e em mim mesma

Tento dentro de meu próprio labirinto encontrar uma saída
E me vejo girando em espiral em sentido anti-horário.
No alto daquela colina me encontro
Ou seria um penhasco?

Dou velocidade ao meu giro em espiral
E me vejo planando pelas alturas
O mar profundo abaixo de mim me convida a um mergulho
E eu como avião em queda me deixo levar

O choque é intenso
O profundo me traga
A escuridão toma conta
Mas eu sinto paz

Perco a respiração e encontro as respostas
Perco momentaneamente a vida para encontrar a morte
A morte de uma etapa, de um tempo que já passou

Como foguete saio do fundo de mim mesma em direção à luz
Tomo o fôlego e chego perto do sol
Brilho com ele, me aqueço nele, crio como ele
E percebo que a cura para a alma está “simplesmente” em Criar.

Anna Leão. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »