Poema

Triste vício

Tristonho é o meu vício
Vício de te amar e de te esperar
Vício embriagante de sempre aguardar
Por uma palavra amena
Por um gesto sereno
Por esse olhar moreno.
E enquanto você não vem
Rabisco palavras avulsas que me fazem tão bem.
Aguardo o toque da campainha
Para decifrar o sentido nas entrelinhas.
Nas entrelinhas do teu gozo, do teu cheiro, do teu beijar
Para me deixar mais uma vez na esperança de tudo outra vez.
Por Anna Leão (favor mencionar autoria e fonte ao reproduzir este poema)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »